Conteúdo

Leilão judicial e extrajudicial: entenda a diferença

Os leilões são boas alternativas para quem deseja adquirir bens a preços atrativos, como veículos ou imóveis, por exemplo. Além disso, é muito prático participar desses eventos atualmente, pois já existem diversos leilões que acontecem pela internet.

Neste artigo, mostraremos como funciona o leilão judicial e extrajudicial. Continue a leitura e entenda a diferença entre as duas modalidades.

Qual a diferença entre leilão judicial e extrajudicial?

Basicamente, um leilão judicial negocia bens que foram apreendidos ou penhorados por meio de um processo legal. Já no extrajudicial não há a participação da Justiça, pois ele ocorre por livre iniciativa do proprietário do bem.

A seguir, veremos como funciona cada um dos tipos de leilões.

Leilão judicial

O leilão judicial parte de uma sentença do juiz, e ocorre com o objetivo de quitar as dívidas do devedor.

Existem diversos processos cujos bens podem culminar na negociação em leilão judicial: trabalhistas, cíveis, fiscais, falência, recuperação judicial e, até mesmo, criminais. Independentemente de qual seja a motivação do leilão, quando ele acontece na esfera judicial, o propósito é sempre o pagamento de dívidas.

O responsável pela realização do leilão judicial é o leiloeiro, cuja profissão é regulamentada pelo Decreto 21.981/32.

Quem organiza os procedimentos para o leilão judicial é o próprio juiz. Nesse sentido, ele determina quem será o leiloeiro e agenda a data, hora e local do evento, se ele for presencial.

Na data marcada, os lances pelo bem são abertos ao público, vencendo quem oferece o maior valor financeiro. A princípio, só haverá arrematante quando o valor ofertado cobrir a dívida para quitação junto ao credor. Caso isso não aconteça, haverá um novo leilão, no qual o valor mínimo de arrematação baixa para 60% do valor inicial.

Leilão extrajudicial

Já o leilão extrajudicial ocorre por iniciativa do proprietário do bem ou do credor. Como normalmente ele é realizado por empresas, bancos ou construtoras, costuma ser chamado também de leilão empresarial.

Por exemplo, eventualmente as empresas precisam se desfazer de maquinário para quitar dívidas ou quando reduzem a capacidade produtiva. O mesmo acontece com bancos, principalmente em tempos de digitalização dos serviços financeiros, nos quais as agências físicas já não são mais tão necessárias.

No primeiro caso, ou seja, quando o leilão extrajudicial parte da vontade do próprio dono do bem, o processo é bem mais simples. Já no segundo caso, quando a iniciativa é do credor, há outros procedimentos burocráticos envolvidos.

Primeiramente, o devedor deve ser notificado por meio do cartório de títulos sobre a dívida. A partir do recebimento da notificação, ele tem um determinado prazo para que coloque o seu débito em dia. Se não fizer isso, o credor passa a ter a propriedade do bem assim que o prazo for expirado e, dessa forma, já pode providenciar a publicação do edital do leilão.

Ou seja, no leilão extrajudicial cuja iniciativa parte do credor, é ele próprio que retoma o bem e o leva a leilão.

Como participar de leilões

O primeiro requisito para participar de um leilão judicial ou extrajudicial é ter, no mínimo, 18 anos de idade. Depois, é necessário fazer um cadastro e enviar a documentação exigida, que estará sujeita à aprovação.

Quando os leilões são online, na própria pesquisa do item que se deseja comprar é possível procurar o campo de habilitação para o processo.

No dia do leilão, até a hora do encerramento, você pode dar quantos lances desejar pelo bem. Assim que o lote é arrematado, o leilão finaliza e, caso você seja o vencedor, já pode iniciar o processo de pagamento, o qual inclui a comissão para o leiloeiro, correspondente a um percentual do bem arrematado.

De forma simplificada, essa é a maneira como funcionam os leilões judiciais e extrajudiciais. Se você quiser saber mais a respeito, deixe abaixo os seus comentários, ou contate diretamente a equipe de Mazzotini Advogados Associados pelo link abaixo!

Mazzotini Advogados Associados :: Contato

Conteúdos Relacionados

O avanço do mercado de distressed assets e a necessidade de revisitar velhos temas

A alta do mercado de distressed assets no Brasil ensejará não só o desenvolvimento de novas teses e precedentes, como também reafirmará matérias há muito pacificadas, que somente agora têm se tornado corriqueiras aos julgadores ao longo dos Tribunais pelo país. É notório que há em plena expansão no país um complexo ecossistema voltado a aquisições dos chamados distressed assets, estando cada vez mais comum

+

Ativos judiciais: a importância da análise jurídica

Em linhas gerais, os distressed assets – ativos alternativos, ativos estressados, special situations, ativos imobiliários estressados, legal claims ou qualquer outra denominação – podem ser classificados como ativos que trazem, em sua essência, algum tipo de stress em razão do vencimento, da inadimplência e, em sua larga maioria, da sua judicialização. Todos esses detalhes fazem com que os distressed assets se tornem um ativo de

+
× Como posso te ajudar?